segunda-feira, 30 de maio de 2016

Esculturas Inimagináveis

Chris Labrooy é um designer de produtos que gosta de brincar com as suas peças, moldando-as e esticando-as até limites que roçam o inimaginável. Fá-lo em formato 3D, merecendo a sua atenção todo o tipo de elementos, desde sapatos de ténis a logótipos, malas de senhora ou alimentos, dando-lhes novos formatos topográficos e esculturais no mínimo surpreendentes.


Claro que para merecer a atenção do Trendy Wheels também dá novos mundos ao mundo das rodas, como se comprova pelos exemplos abaixo. Os primeiros incluem-se no projecto “Tales of Auto Elasticity” e baseiam-se na interpretação de vários ícones norte-americanos, associando-os às longas autoestradas, através de zonas desertas.


Mas as suas criações também buscaram inspiração a oriente, dando origem ao projecto “Tokyo”, onde os mais conhecedores decerto irão identificar diversos modelos da indústria automóvel nipónica, mergulhados no ambiente da célebre “Nakagin Capsule Tower” da autoria de Kisho Kurokawa.


Da sua vasta inspiração faz ainda parte o projecto “Auto Aerobics”, nascido da sua interpretação da zona envolvente de Brooklyn. E o inimaginável resultado está abaixo.
 
Imagens: Chris Labrooy
Fruto da sua veia imaginativa, não surpreende que entretanto tenha merecido a atenção de algumas importantes marcas, hoje parte do seu portfolio de clientes, casos da Nike, British Airways, Time Magazine ou McDonalds, entre outras. Para ver mais exemplos nestas ou noutras áreas visite a sua Página Oficial ou siga-o pelo Facebook.

Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.


sexta-feira, 27 de maio de 2016

Turismo Interactivo do Estômago e da Mente

Um elabora e serve comida de rua, nos cada vez mais populares eventos de street food, o outro aposta na promoção da região norte de Portugal, por cá e fora das nossas fronteiras. Um fá-lo pela relação interpessoal dos convivas, nomeadamente ao nível do estômago, o outro alimenta a mente, sendo tecnologicamente interactivo com os seus visitantes. São dois conceitos de turismo assentes numa plataforma idêntica, um autocarro a que se pode aceder no seu interior e, quiçá, viver toda uma nova experiência. Apresento-lhe o Rock n’ Doll Caffe e o TOPAS.


Começo pelo Rock ‘n Doll Caffe, autocarro que dá toda uma nova dimensão ao street food, quanto mais não seja pela sua área de ocupação, física e visual. Lisboa, Pombal, Salvaterra de Magos, Elvas, Vila Franca de Xira, etc quase não há local do nosso Portugal que o musical autocarro negro não tenha passado ou preveja assentar arraiais! Até já cruzaram a fronteira para Espanha para marcarem presença na “23ª Feria del Mueble y Decoración” ou no “Badajoz Food Fruck Festival”, entre outros.


Mas não é só em spots de comida de rua e de música (claro!!!) que este conceito alimentar sobre rodas - famoso pelas suas deliciosas tostas de... meio metro!!! - pode ser encontrado, pois ele também pára em encontros de motards ou desportivos, passeios especiais e outros eventos à la carte, como festas de amigos, aniversários, baptizados, casamentos e até mesmo divórcios

Por vezes fá-lo surge sozinho, noutras na companhia do triciclo motorizado que dá pelo nome de “Clotilde”, a criação original do Rock ‘n Doll Caffe, frota que entretanto se viu complementada pela “Jurema”, apresentada ao mundo em Abril último na “Feira da Primavera” de Sines.


Fotos: Rock 'n Doll  Caffé (Facebook)
Noutro contexto, há um segundo autocarro – o TOPAS, Acrónimo para Tourism Office Public Auto Service – a circular pelo país e fora dele. Resulta de uma parceria entre o Turismo do Porto e Norte de Portugal e a CaetanoBus, empresa responsável pela sua transformação numa loja de turismo interactiva móvel. Tem conteúdos desenvolvidos pela TOMI WORLD, entidade que desenvolveu as soluções digitais que garantem essa interacção. Nasceu, assim, um autocarro especial, um embaixador turístico sobre rodas que leva a cultura e os produtos da região norte alem-fronteiras.


Recorrendo a três línguas – português, inglês e espanhol, estando o francês e o alemão em equação – conta, entre outros, com painéis multimedia, um videowall de interacção por gestos, uma mesa touchscreen com questionários didácticos sobre as diferentes áreas turísticas das regiões abrangidas, integrando ainda um TOMI (Total Ourtdoor Media Interactive), que prestam informações úteis 24 horas por dia e até permitem tirar selfies para a posteridade, soluções em tudo idênticas aos painéis interactivos que há em determinadas zonas mais turísticas e culturais de Lisboa e Porto.


Fotos: TOMI WORLD

Por isso, se se cruzar com qualquer deles, aproveite e alimente-se. Faça-o em termos da mente ou mesmo passando pelo estômago.

Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.

quarta-feira, 25 de maio de 2016

Baião Rulzzzz!!!

O mundo dos ralis é um tema que já me disse mais no passado do que presentemente, quando, em puto, lá ia eu de mochila com o farnel às costas, ainda bem de madrugada, para o Autódromo do Estoril ou para a Serra de Sintra, para ver e fotografar os carros, fossem eles as máquinas das equipas de topo, com centenas de cavalos, ou mesmo os boguinhas dos menos endinheirados que, apesar das limitações, lutavam pelo melhor lugar da prova. Agora, por vicissitudes da vida, já não o faço, sigo o rali à distância e com substancialmente menos empenho do que na altura, quando sabia tudo de fio a pavio, da prova em si e desta modalidade do desporto automóvel.


Mas não é de desporto automóvel que versa este Trendy Wheels, embora o tema ralis tenha que ser aflorado. Venho falar de Baião, no Distrito do Porto, município que é atravessado pela mítica prova lusa do Campeonato do mundo da modalidade, cuja 50ª edição decorreu na semana passada. “E porquê?” – perguntam @s leitor@s? Por isto:


Aquele que escolhi para “Vídeo Trendy Wheels da Semana” é um vídeo viral encomendado por Baião à HyperCube e que pretende promover a terra e a sua ligação à prova. Da autoria de Marco Neiva e inteiramente protagonizado por actores locais, mostra o piloto Vítor Pascoal a acelerar nas serras de Baião, cruzando-se com praticantes de desportos radicais, mas também com o agora popular casal Fernando e Fátima, pacatos viajantes na sua Renault 4L, que em 2015 conquistaram os fãs locais e os dos ralis nas redes sociais, num vídeo que hoje regista mais de 185.000 visualizações. Veja-o aqui.

Embora aquela dupla faça o bis, desta vez há outros protagonistas, entre jovens (e menos jovens) de Baião que vivem as emoções do Rali de Portugal através de um simulador muito especial, uma réplica de um carro de ralis que constroem à volta de um sonolento pai, sentando-o ao volante, recorrendo depois às novas tecnologias de realidade virtual para o acordar. Uma experiência a 360 graus que pode ver aqui, sentindo algo do que se vive dentro de um carro de ralis. Para o ano há mais, prometem!

Ah sim, entretanto e a título de informação adicional – os mais interessados já o saberão – a Citroën venceu este 50º Rali de Portugal, com os pilotos Kris Meeke/Paul Nagle a baterem os seus adversários. Também para a história desta edição comemorativa ficou a dupla Miguel Campos/Carlos Magalhães como os melhores representantes lusos, aos comandos de um Skoda

Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.

segunda-feira, 23 de maio de 2016

Motos, Arte & Design

“Acima de tudo, queremos divertir-nos e andar de mota!” Foi este um dos motes que sublinhou o “Lisboa Art&Moto 2016”, evento de cariz anual que se realizou recentemente no LX Factory, em Alcântara. O Trendy Wheels esteve presente no dia de abertura desta quarta edição, de uma iniciativa em que se conjuga a arte com as duas rodas, num espaço também ele sui generis. Tem também crescido em importância e, por isso, em dimensão e número de expositores.

Foram muitos os representantes nacionais do sector que apresentaram as suas mais recentes novidades a um público muito particular, dividindo-se por dois dos inigualáveis pavilhões daquele espaço de arte & design – a Galeria Fábrica L e Fábrica XL – com outras marcas de roupa, de equipamentos e de acessórios, destinados a quem defende actividades que celebram este estilo de vida sobre apenas duas rodas.

Imagens: Art&Moto (Facebook)
As motos integraram-se, assim, com diversas criações artísticas e com práticas ligadas ao desfrutar de aventura e liberdade na natureza. Um conceito que reuniu milhares de visitantes, que ao longo de três dias viram novidades como as Moto Guzzi V9 Bobber e V9 Roamer, as Triumph Thruxton E e Thruxton R, o conceito Dark Custom aplicado à Harley Davidson Roadster, a Ducati Scrambler, as Victory Hammer 8-Ball e Vegas 8-Ball, a Indian Scout Sixty e até as mais criativas custom de personalização, como as inéditas propostas da Maria! Mas desenganem-se que não era uma Maria qualquer: Nada disso, era a – pelo menos desconhecida para mim, que sou muito verdinho no mundo das duas rodas – Maria Ridding Company.




Imagens: JP/PP Trendy Wheels
Fruto da essência do próprio espaço, único na capital, também não faltaram inéditos exemplares dos mundos da arte, do surf, do graffiti, bem como música, vídeo, passeios de mota e - claro! - alguns test drives a algumas das novidades. Para alimentar todo este mundo de gente foram três os exemplares de street food sobre rodas: as cada vez mais imprescindíveis piadinas da Piadina’s, Wine & Co., onde me deliciei com dois exemplares de pão italiano e uma fantástica sangria, enquanto outros saboreavam os cachorros da PinUp Van ou os wraps e os kebabs da Food4UTodos sempre com casa cheia!
 
Imagem: PinUp Van (Facebook)

Imagens: Art&Moto (Facebook)


Imagens: JP/PP Trendy Wheels

Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Brincar Rua Abaixo

Carrinhos de rolamentos… é tema que lhe diz alguma coisa? Construiu algum quando era mais pequeno para umas corridinhas com os amigos? Se o fez sabe que bastavam umas quantas madeiras estrategicamente colocadas, pregos e parafusos para segurar a estrutura principal, rolamentos de esferas e uma corda para orientar a direcção! Depois era só arranjar uma rua com uma boa inclinação, pouco trânsito (com a ajuda dos amigos para o controlar, se necessário) e, com uma certa dose de saudável loucura, lançar-se rua abaixo!


Atenta às novas tendências, nomeadamente quando o antigo é o que está na agora berra, a Smart fez reviver o conceito, numa iniciativa denominada “smart loves Lisboa & Gaia” que arrancou no ano passado e que já teve, este ano, um bis na capital. 

Foi a 29 e 30 de Abril que o Parque Eduardo VII recebeu várias dezenas de participantes no “smart loves Lisboa”, tendo a marca alemã disponibilizando uns quantos carrinhos de rolamentos, para serem personalizados pelos participantes, para uma corrida que ficou, decerto, na memória de quem a disputou. Se quiser saber como correu, clique no link do Diário de Notícias, uma das publicações oficiais do evento.


Mas se perdeu a prova da capital não desespere, pois ainda tem a jornada smart loves Gaia” já no fim do mês - a 27 e 28 de Maio - numa louca e sinuosa descida que começa às portas das Caves Graham e termina na zona ribeirinha do Rio Douro. Pode inscrever-se até ao dia 24 no portal oficial e, quem sabe, repetir o feito de José Gonçalves, Nuno Lopes e João Baracho, que conquistaram, por esta ordem, os três lugares do pódio na prova lisboeta!
 
Imagens: Smart
Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Um DJ Luso No Top-20

Axell Astrid, Bodalia, Bucket Boys, Danny Chris, DJ Erik, DJ Razvan-Nanu, DJ Silva, Gollo, Konku, Mia Amare, Maron Max, Michael Blaze, Miss Ghyss, Nummy, Pat Farrell, Paula Serra Vázquez, RICH MORE, Swift D, This is CROB e Victor Moreno. Conhece algum destes nomes? Segunda pergunta: há nessa lista um português… consegue identificá-lo?  

A não ser que seja fã de electronic music e suas declinações é provável que até não, mas eu dou uma ajuda: acabam de ser considerados como os 20 mais promissores DJ da actualidade, segundo a Mazda, a organização do festival Tomorrowland e o DJ belga Lost Frequencies.

Se segue o Trendy Wheels, decerto se lembrará que, em meados de Março último, aqui se publicou o texto “Quer Ser DJ no 'Tomorroland 2016'?”, pergunta a que 1.042 participantes de toda a Europa responderam com um estrondoso “SIMMMMMMMMMMMMM”, numa lista que agora se viu reduzida a 20 nomes! Em conjunto fizeram o upload de qualquer coisa como 520 horas de música na página #MazdaSounds, alojada na plataforma Mixcloud de streaming e social media.

Imagens: Mazda
Pois e também aqui Portugal demonstra a sua posição e versatilidade, integrando nesta lista de finalistas um representante, de seu nome Mauro Urgeiro, DJ e produtor musical português mais conhecido como Maron Max! Tem apenas 23 anos, dos quais oito de experiência, apostando no estilo Electro Progressive House

Fruto deste apuramento, vai agora ter de se preparar para bater pelo menos 14 dos seus 19 adversários para garantir um dos seis lugares disponíveis para o “Tomorrowland 2016”. Se quiser ouvir o mix com que Maron Max se candidatou a um lugar ao sol clique aquiSegue-se um processo de pouco menos de um mês, em que Maron Max e os restantes 19 finalistas irão ter como mentor Lost Frequencies (Felix De Laet de seu nome), com os seus conselhos de preparação para o grande dia. 

Será a 11 de Junho, já com um conhecimento mais real das potencialidades de cada um, que o DJ belga voltará a integrar o painel de jurados que irá eleger os seis artistas vencedores desta iniciativa. Um confronto que terá lugar no “Mazda Space”, infraestrutura para eventos da marca japonesa em Barcelona, e que garantirá seis bilhetes de acesso ao já muito conceituado festival de música electrónica de Boom, na Bélgica.

Imagens: Maron Max
Há agora que aguardar por esse dia para saber se Portugal vai estar representado por Maron Max no “Palco Mazda” no “Tomorrowland 2016”, lado a lado com dezenas de especialistas de renome como Armin van Buuren, David Guetta, Axwell Λ Ingrosso, Dimitri Vegas & Like Mike, Steve Angello e Steve Aoki, entre muitos outros. A lista pode ser consutada aqui. O Trendy Wheels gostaria de acreditar que sim. E desse lado?

A titulo de curiosidade, acrescente-se que Maron Max alcançou, no final de Janeiro último, o 40º lugar no top-100 da Beatport, para o género Electro House, com o seu EP “Infinite Universe”. O DJ luso tem, neste momento, 17 faixas editadas e disponíveis em todo o mundo, uma compilação e esse EP de 5 temas, da etiqueta “Matrix Music Records”. Se quiser conhecer a sua discografia no Mixcloud clique aqui.

Imagem: Mazda
Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

ADN Com Dupla Personalidade

Chama-se V9 e tem dupla personalidade, integrada num mesmo ADN! Não, aqui não é doença, é apenas feitio… e que feitio! Por um lado há a Bobber, elegante, atlética e básica, no bom sentido da palavra, em representação da substância; por outro surge a Roamer, de espirito custom, clássica e elegante, com um visual eterno, para olhar os céus, seja nas amplas paisagens campestres ou no meio dos prédios das grandes urbes. Em comum partilham o espírito clássico e moderno de valores que nunca passam de moda.

Os mais entendidos na temática já terão percebido que falo numa moto, no caso da nova Moto Guzzi V9, proposta que se divide em duas versões, desenhadas de acordo com os targets que a marca italiana, representada em Portugal pela C. Machado, definiu para este rejuvenescido modelo. O Trendy Wheels foi conhecê-las, em primeira mão, ao LX Factory no final da tarde da passada 6ª Feira, durante a Apresentação Nacional à imprensa e convidados, feita por Miguel Vasconcelos, responsável pela Moto Guzzi no nosso país. Uma acção que se integrou na tarde de abertura do “Art & Moto Lisboa”, evento mais lato dedicado à temática das duas rodas, que decorreu ao longo do passado fim-de-semana naquele espaço único da capital, onde imperam conceitos de design alternativo.


Os responsáveis da Moto Guzzi definem a V9 como a nova encarnação do mais puro espírito da marca, um espírito onde não há lugar compromissos, que orgulhosamente sublinha, face a cada escolha, o conceito de “Eu sou o que sou”. A V9 é isso mesmo, ela própria, autêntica em cada detalhe, no recurso a materiais de alta qualidade e robustez, como o aço e o alumínio, ou na escolha de componentes de prestígio que a integram, mas também na agilidade como reage a quem a explora, nomeadamente ao binário do novo motor de 850 cc. “É a Moto Guzzi que sempre quis: simplesmente sua”.

A nova V9 apresenta-se na tal dupla personalidade que se alastrará aos seus compradores, na eventualidade de poderem ter ambas as propostas nas suas garagens. De facto, qual delas escolher? Hummmm… a V9 Bobber, musculada, determinada e minimalista, no seu estilo clássico em tom matte? Ou a V9 Roamer, de alma custom, nesse seu estilo tão intemporal?

Por mim levava as duas, para explorar os meus vários universos, dependendo do estado de espírito ao acordar! Apenas tinha que optar pela cor. A V9 Roamer apresenta-se em três tons de acabamento brilhante, o Branco Clássico com pormenores gráficos em vermelho, o Amarelo Solar com detalhes em preto e o Vermelho Rubi com grafismo branco; apostando no acabamento matte, a V9 Bobber é proposta em Preto Maciço com grafismo amarelo ou Cinzento Sport com detalhes vermelhos. E há apenas um preço para ambos os espíritos: 9.990 euros, independentemente da sua escolha!


Presente em Portugal desde 1960, a C. Machado é responsável, desde o início de 2015, pela comercialização da marca italiana Moto Guzzi, ano em que também começou a representar a Aprilia. Sara Chen é a Gerente do importador do Grupo Piaggio para Portugal, entidade que oito anos antes, em 2007, já chamara a si a representação de quatro outros nomes italianos indissociáveis do mundo das duas rodas: Gilera, Piaggio, Vespa e Derbi.

A este propósito, refiram-se as lojas que tem no nosso país – Lisboa (Alcântara e Marvila), Porto e Aveiro – com especial destaque para o espaço “Motoplex Lisboa - Officina Moto” inaugurado em Dezembro último, em Marvila, e a que o Trendy Wheels fez referência no texto “Para Amantes das Duas Rodas”, quando o título ainda estava integrado no anterior blog Trendy Mind. Um espaço que, mais recentemente, viu ser-lhe integrada a assinatura “MOTO SPAZIO”, que identifica pontos de venda premium das marcas representadas.


Fotos: JP/PP Trendy Wheels e Moto Guzzi (oficiais)

Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Cavalos, Elefantes e… Tuk Tuks?!

Não se admire se, nos tempos mais próximos os Tuk Tuk, veículos que se multiplicaram a um ritmo alucinante nos centros históricos das nossas cidades, servirem para jogar… Polo! Originário da Pérsia e generalizado em países como a Índia, o Reino Unido e as suas ex-colónias, este jogo que muitos conhecem – ou pelo menos ouviram falar – faz-se a cavalo ou, no limite, sob o dorso dos muito pacientes elefantes!



Ou pelo menos fazia-se, pois agora parece que também os Tuk Tuks servem como montada, numa invenção nascida no Sri Lanka e que já é um sucesso no país. Depois de uma experiência em 2015, decorreu em Galle, em Fevereiro, o Lakderana 2016 Tuk Tuk Polo Tournament, que contou com 8 equipas – 4 locais e 4 estrangeiras – a lutar pelo título e por um prémio monetário de 200.000 rupias cingalesas (cerca de 1.200 euros). 

Um jogo que se fez em duas partes de 7 minutos cada, com 3 Tuk Tuks em campo com outros tantos jogadores por equipa, mais os respectivos condutores. Após o intervalo e o reabastecimento dos veículos, novos jogadores entram em campo. Mas, melhor do que explicar, é mesmo ver o vídeo!


Há várias curiosidades nas regras, destacando-se o facto de as senhoras poderem usar ambas as mãos no manuseamento do taco, enquanto os homens só podem jogar com a mão direita. Ao intervalo, enquanto se reabastecem os Tuk Tuk, os condutores só podem beber água, mas os jogadores podem refrescar-se com um Arrack Sour, um tipo de rum destilado a partir de cana-de-açúcar e com uma dose de arroz vermelho que ajuda na fermentação! Estas e outras informações aqui.


Se por cá entrarem em vigor as condicionantes de que se têm falado, relativas às restrições que se querem impor na circulação destes veículos multi-coloridos em determinados locais das nossas cidades, haverá sempre a hipótese de os adaptar a uns Campeonatos Regionais/Nacional de Tuk Tuk Polo, a realizar em qualquer campo pelado que haja por aí nas redondezas!

Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.

quarta-feira, 11 de maio de 2016

Louco Futuro A Bordo dos Aviões

No final de Fevereiro apresentei-lhe algumas das mais absurdas soluções de maximização de espaço no interior dos aviões que, caso algum dia viessem a ser aprovadas e implementadas, permitiriam colocar mais passageiros em cada aparelho, rentabilizando-se os custos das viagens. Pode recordar, ou ler esse texto aqui.
Imagem: Vladimir Tatarenko



Hoje apresento-lhe um conjunto de outras soluções que estão em estudo e que poderão mudar em muito o presente conceito de viagens de avião e a própria concepção dos aparelhos.

Voar em módulos
E que tal ocupar o seu lugar num módulo, tipo pronto-a-integrar, antes mesmo da chegada do avião que o levará ao destino? Em vez das habituais entradas e saídas de passageiros pelas mangas dos aeroportos ou saídos dos autocarros vindos dos aparelhos que ficam mais longe dos terminais, o modelo proposto envolve um módulo intermutável da cabina de passageiros.
Imagem: USPTO/Airbus


Esta é simplesmente trocada aquando da chegada do avião ao seu destino, poupando-se tempo, pois enquanto aquele é preparado procede-se à troca desse corpo amovível, não ficando os passageiros dependentes da saída dos que chegam ao destino para ocupar os lugares a bordo. A Airbus já patenteou o sistema, com o aval do Departamento de Patentes e Marcas Registadas dos EUA.

É uma solução que, aliás, vai ao encontro de uma sugestão de Vladimir Tatarenko, engenheiro de aviação e inventor ucraniano, para o salvamento de vidas em determinado tipo de acidentes. Isto porque uma cabina de passageiros amovível, que se separasse da restante estrutura do avião, poderia permitir fazer chegar ao solo a estrutura, mesmo que os motores entreguem a alma ao criador. Veja o processo, também já merecedor de algumas patentes, nesta animação:


Viajar “fora” do avião
Então e ver o que se passa à sua volta sem um efeito claustrofóbico que afecta alguns passageiros, nomeadamente em viagens de maior duração? Poderá haver, de acordo com dois especialistas na matéria – a companhia norte-americana de engenharia aeroespacial Windspeed Tecnologies e o centro britânico de inovação tecnológica CPI - Center for Process Innovation - duas hipóteses distintas.
Imagens: Windspeed Tecnologies


O projecto “SkyDeck” da primeira recorre a uma bolha colocada no topo da fuselagem do avião, para onde se elevam duas das poltronas da 1ª Classe, permitindo olhar o céu bem mais de perto. Veja o vídeo aqui.

A solução do CPI, se bem que resolvendo a questão da claustrofobia, poderá resultar noutra, o medo das alturas, pois as paredes, o tecto e o chão simplesmente desvanecem-se, dando a sensação de não deixar de haver estrutura física do avião. Tal deve-se a painéis de LEDs orgânicos (OLEDs) que exibem a envolvência exterior, mas ainda assim, para os mais medrosos com as alturas acho que a coisa não correrá muito bem! Mais detalhe aqui e nas fotos abaixo.

Imagens: CPI - Center for Process Innovation




Uma nota final para informar que, com este texto, o Trendy Wheels atinge a sua 200ª Edição, número que integra as heranças do anterior blog Trendy Mind, plataforma onde o título começou a ser originalmente publicado, e a que se deverão somar os 20 “Vídeos Trendy Wheels da Semana” entretanto publicados nesta nova realidade independente. Dado que a contagem se está a dispersar um pouco, a partir de agora o processo normaliza-se, rumo a nova edição comemorativa! Quando? Não sei! Sé é que a imaginação das rodas parece não ter limites, sendo que espero, por isso, continuar a tê-l@ desse lado.

Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Um Pára-Brisas Inteligente

Se os condutores de automóveis têm alguma (relativa) dificuldade em consultar informações, atender chamadas e ler sms, entre outras actividades menos ideais quando se está ao volante – a menos que o carrito tenha um sistema de infotainment, que permita emparelhar o smartphone – imagine-se o que não passa o pessoal das motos! Mesmo considerando que existem sistemas mais ou menos avançados que permitem atender chamadas sem parar a moto e ter de tirar o capacete, já ler mensagens enquanto se conduz é bastante mais complicado, obrigando, na maior parte dos casos, a que se interrompa a viagem.

Uma vez mais, a Samsung está na linha da frente neste domínio, tendo mostrado recentemente o “Smart Windscreen”, um protótipo de um pára-brisas inteligente para motos. Conheça alguns detalhes neste vídeo:


O processo foi feito a meias com a agência Leo Burnett (Itália) e a estrela de motocross Edo Mossi, recorrendo-se a uma scooter Yamaha Tricity 125, unidade que tinha um ecrã que, recorrendo a uma app instalada no smartphone do utilizador, exibia as chamadas de voz, sms e e-mails, sem que os motards tivessem de retirar as mãos do guiador e desviar (muito) os olhos da estrada.

Foto: Samsung

O incremento de segurança nas duas rodas fica, assim e uma vez mais, bem mais perto.

Cumprimentos distribuídos irmãmente e até breve!

José Pinheiro

Notas:
1) As opiniões acima expressas são minhas, decorrentes da experiência no sector e de pesquisa de várias fontes;
2) Direitos reservados das entidades respectivas aos ‘links’ e/ou imagens utilizados neste texto, conforme expresso.